• Raul Otuzi

Radar Inovação. Como as grandes empresas brasileiras inovam

Pesquisa da Fundação Dom Cabral e Deloitte aponta os caminhos: clareza de estratégias, de processos e indicadores, além de uma gestão estruturada da inovação.


A Fundação Dom Cabral estuda, analisa e avalia como as empresas brasileiras realizam a gestão da inovação em suas companhias.


Para isso, em parceria com a Deloitte, recentemente publicou o Radar Inovação. O professor Hugo Tadeu, que liderou a pesquisa, diz que o documento:


“... veio preencher uma lacuna no universo dos negócios. Não havia informações confiáveis sobre os métodos de gestão das empresas inovadoras.”

O relatório tem como base entrevistas quanti e quali com 60 grandes empresas como Vale, Johnson & Johnson, Embraer e Petrobras. “A intenção foi selecionar as companhias que realizassem a inovação de forma estruturada e consistente”, diz Tadeu.


A Época NEGÓCIOS publicou os principais trechos da entrevista que o coordenador do estudo concedeu.


Confira a nossa compilação dos 12 principais pontos que fazem uma empresa inovar:


1. Inovação não é só coisa de startup, ou seja, a empresa deve ter consciência, ir além do mito de que uma pessoa tem uma ideia incrível, que vira produto, que vira receita.


2. Se a empresa quer inovar, tem que ter clareza de gestão.


3. As companhias mais inovadoras têm estratégias, processos e indicadores muito bem definidos.


4. As empresas de grande porte não devem se comportar como iniciantes: elas precisam ter governança, rigor de inovação.


5. A cultura é fundamental para conduzir à transformação.


6. A área responsável por inovar precisa ter o mesmo processo estruturado do setor de finanças.


7. 4% da receita líquida das grandes empresas vai para inovação de processos, e não de produtos ou tecnologia.


8. Esse tipo de inovação, concentrada nos processos, torna as empresas mais ágeis e flexíveis.


9. Nem tudo é tecnologia. Com a instabilidade econômica, faz sentido investir em produtividade e eficiência.


10. O time tem que ter o perfil certo, e ser capaz de elaborar uma agenda com metas concretas.


11. O corporate venture capital é importante, desde que haja um processo estruturado para investir em startups.


12. Empresas inovadoras levam a sério a agenda ESG. Investem em sustentabilidade, principalmente. E entenderam que é preciso ter metas de diversidade, também.

Para finalizar, as empresas estão desconfiadas e cautelosas em relação a 2022, estão olhando para dentro, buscando mais eficiência e inovações incrementais.

32 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo